Martha Rocha

Blog

08032017_124832geral_ThiagoLontra_08_03_17-754×503

No ano em que o voto feminino completa 85 anos no Brasil, as deputadas da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) assumiram o plenário da Casa para homenagear dez cidadãs que se destacaram na luta pela igualdade de gênero. A 14ª edição do Diploma Mulher Cidadã Leolinda Figueiredo Daltro aconteceu nesta quarta-feira (8/3), Dia Internacional da Mulher.

A homenagem foi uma ação da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Alerj, presidida pela deputada Enfermeira Rejane (PC do B). A parlamentar comentou a importância de reconhecer o combate ao machismo. “Diariamente, as mulheres batalham por condições de trabalho e se opõem à violência. Dessa forma, contribuem para um processo crescente de emancipação e empoderamento”, disse. As parlamentares Tia Ju (PRB), Martha Rocha (PDT), Daniele Guerreiro (PMDB), Ana Paula Rechuan (PMDB), Márcia Jeovani (DEM) e Fatinha (SDD) participaram da entrega do diploma. As 10 escolhidas foram indicadas por organizações da sociedade civil. Entre as escolhidas, professoras, advogadas, profissionais da área de saúde e líderes sindicais. Dilcéia da Rocha Quintela, pedagoga e militante feminista desde a década de 70, foi uma das homenageadas.

A representante do Conselho Estadual do Conselho da Mulher destacou que apesar das vitórias, o movimento ainda possui desafios concretos. Ela destacou a precarização do atendimento às mulheres no Rio por causa da falta de equipamentos e a crise financeira do estado. Para a deputada Martha Rocha (PDT) a data não é só comemorativa, mas também combativa.

“O Dia Internacional da Mulher não é apenas uma oportunidade para receber flores. Na verdade, é uma chance de reconhecer as vitórias, mas também de tomar fôlego para impulsionar a busca por nossos direitos”, apontou a parlamentar. Representatividade Suzete Paiva dos Santos, representante da União de Negros e Negras pela Igualdade (Unegro), também foi uma das condecoradas. Para ela, a homenagem traz visibilidade, mas ainda existe um longo caminho a ser percorrido.

“As mulheres negras em cargos de destaque ainda são uma exceção. E é exatamente isso que não queremos ser. Por isso, iniciativas como essa são importantes para abrir espaço para a pluralidade”, afirmou a militante. Além de Dilcéia e Suzete, outras oito mulheres receberam o Diploma Mulher Cidadã Leolinda Figueiredo Daltro 2017. São elas: Ludmila Fontenele, Célia Citeli Pereira, Lígia Doutel de Andrade, Maíra Costa Fernandes, Maria Adelina Di Mare Salles, Maria Celina de Oliveira, Maria do Espírito Santo Tavares dos Santos e Shirley da Costa Behrends.

Ainda não há nenhum comentário.